Categorias
Paris Style Week

Estilistas que você deve conhecer: 10 motivos para fazer o curso

O curso on-line “10 estilistas que você deve conhecer” é um verdadeiro presente para quem já ama moda ou tem interesse em aprender sobre o assunto. Por meio do legado de designers renomados da alta-costura, ensino sobre 100 anos de história fashion. São eles: Coco Chanel, Elsa Schiaparelli, Christian Dior, Yves Saint Laurent, Hubert de Givenchy, Pierre Cardin, Karl Lagerfeld, Azzedine Alaïa, Thierry Mugler e Jean Paul Gaultier. Neste post, apresento 10 motivos para você saber por que deve fazer as aulas. Não deixe de conferir!

Giphy1. O curso “10 Estilistas que você deve conhecer” transformará a sua visão sobre a história da moda

Você sabia que aprender sobre história não precisa ser uma atividade cansativa? Pode ser prazerosa e divertida. No caso da moda, é importante olhar para o passado, com o objetivo de entender o presente e o futuro da indústria fashion.

O curso, com o qual você aprende os últimos 100 anos da história da moda, apresenta os 10 principais estilistas, consagrados na França. O conteúdo fundamental vai proporcionar história, para depois você saber analisar os desfiles das marcas, saber como as marcas vão evoluindo, conhecer a dinâmica da moda francesa.

Você vai começar sabendo mais sobre Coco Chanel, estilista francesa que marcou os anos 1920. Foi ela quem popularizou a calça feminina. Já Elsa Schiaparelli, que também está nas aulas, tinha pegada surrealista e criou o rosa-choque.

E você sabe quem criou a silhueta conhecida como The New Look? Acertou se pensou em Christian Dior, que desenhou o design originalmente intitulado Femme Fleur (mulher-flor, em tradução). O curso sobre estilistas memoráveis também não poderia deixar de mencionar Yves Saint Laurent, o criador do smoking feminino.

Quem também está no curso é Hubert de Givenchy, lembrado por peças elegantes e linhas arquitetônicas, além da famosa amizade com Audrey Hepburn. E Pierre Cardin? Está no conteúdo, é claro. O DNA criativo era formado por modelagens futuristas e formas geométricas.

Um dos estilistas mais icônicos de todos os tempos, Karl Lagerfeld não poderia ficar de fora. Simultaneamente, Lagerfeld comandava sua grife homônima, e atuava na direção criativa da Fendi, além da Chanel.

Com o meu curso “10 Estilistas que você deve conhecer”, todos se surpreendem com Azzedine Alaïa, o rei da qualidade e da atemporalidade. Já Thierry Mugler, designer que morreu neste ano, consagrou-se com designs performáticas e materiais inovadores. Para fechar, Jean Paul Gaultier, pioneiro da diversidade na moda.

Curso de moda


2. O curso é dado em ordem cronológica

Entender o passado da história da moda é importante para projetar o futuro. Quando falamos de um curso de história, a melhor forma é estudar de forma cronológica os acontecimentos, porque uns influenciam os outros que sucedem. Você entenderá como a moda evoluiu década por década seguindo os caminhos dos principais estilistas do mundo.

O curso permite que os alunos vejam influências que Coco Chanel teve nas criações de Yves Saint Laurent, por exemplo. Ou que a moda surrealista de Elsa Schiaparelli pode ter influenciado criações de Thierry Mugler. Como vocês veem, trata-se de estudar os 10 estilistas em profundidade, mas não deixar de lado as inspirações que uns levam aos outros.

 

3. Método único e didático

Muitas vezes, quando começamos um curso, podemos ficar entediados. E as pessoas que trabalham e/ou gostam de moda, normalmente, estão acostumadas com um ritmo de informações, de imagens. Então, o curso de moda tem que ter um método atraente, um método que deixe as pessoas sempre com vontade de saber mais, e um método certo para que as pessoas possam celebrar, ao fim, tudo que aprenderam.

O método do meu curso é único. É um modelo de estudo que eu criei. Eu o desenvolvi para que cada estilista escolhido seja abordado da mesma forma, a partir de algumas perguntas que eu repito para o estudo de cada um deles. Essas perguntas são: o que foi a moda para ele(ela); qual foi seu estilo; qual foi o legado deixado para a moda; exemplos de criações; e a atualidade da marca deixada.

 

4. Qualquer pessoa que ama moda pode participar

Qualquer pessoa pode participar e é bem-vinda, assim como os meus cursos presenciais em Paris, que estão abertos a qualquer pessoa que ama moda. 

É para quem ainda não sabe nada e para quem já sabe, mas quer aprender mais; para quem trabalha no mercado ou pretende trabalhar; para quem está estudando moda ou vai estudar; para quem é designer de moda e quer embasar as próprias criações com história; ou para quem trabalha em mercados que se relacionam diretamente com a moda, como a joalheria, a cosmética, e acessórios em geral.

 

5. Fácil acesso

O curso “10 Estilistas que você deve conhecer” traz uma aula de introdução, uma aula para cada designer, e uma aula de conclusão. Tem duração total de oito horas e está disponível na plataforma Hotmart, de muito fácil acesso.

As aulas podem ser vistas quantas vezes o aluno quiser. Cada pessoa pode se organizar: escolher se quer fazer uma maratona ou dividir uma hora por semana. Também é possível voltar e repetir a explicação.

Imagens ilustrativas acompanham as minhas explicações, com direito a apresentações de PowerPoint. Durante as aulas, estou conversando com quem assiste, para estarmos próximos, ainda que de forma virtual.

É uma conversa didática para que as informações sejam passadas de maneira clara e eficiente para o melhor aprendizado do conteúdo. Imperdível! Você não vai se arrepender!

Curso 10 Estilistas
As aulas estão disponíveis on-line na plataforma Hotmart Sergey Zolkin/Unsplash/Rep


6. Conhecimentos fundamentais e imperdíveis sobre os estilistas

O curso responde a cinco perguntas fundamentais de cada designer, mas vai além disso. O legado dos estilistas é completado com informações sobre desafios pessoais e anedotas da vida de cada um, além de várias ligações entre eles.

Você sabia, por exemplo, que Coco Chanel e Elsa Schiaparelli eram rivais? Sabia que Hubert de Givenchy começou sua carreira trabalhando para Elsa Schiaparelli? Ou que Pierre Cardin trabalhou com Christian Dior? Essas e outras conexões vão te ajudar a entender melhor o momento da moda em cada década.

 

7. Professora com credibilidade para ensinar sobre moda

Eu, Valeria Doustaly, sou consultora de imagem. Além de ser membro da Associação Internacional de Consultores de Imagem (AICI), tenho certificação como CIP (Certified Image Professional).

No começo da minha trajetória profissional, fiz graduação em marketing pela Universidade Argentina da Empresa. Concluí mestrado em administração estratégica na Universidade de Belgrano. Também desenvolvi uma segunda carreira, em publicidade.

Em 2014, criei o programa Paris Style Week. O programa foi criado como um curso de moda e estilo, com cinco dias de experiências presenciais na capital da França. Desde o início, já recebi mais de 20 grupos. Inclusive, a próxima edição será neste mês: de 14 a 18 de março de 2022.

 Atualmente, sou vice-presidente da AICI, cargo que ocupo pela segunda vez. Sou responsável pela organização da Conferência Mundial de Consultores de Imagem do ano de 2023.

Valeria Doustaly, professora do curso 10 Estilistas que você deve conhecer
Valeria Doustaly Valeria Doustaly | Blog Paris Style Week


8. Imersão no glamour francês e no mercado de luxo

O curso “10 Estilistas que você deve conhecer” é uma imersão digital na moda francesa. Como se sabe, a capital do luxo e do glamour fashion.

Os designers estudados criaram algumas das grifes mais rebuscadas do mundo. Além disso, como uma morada de Paris, vou te apresentar detalhes sofisticados, com exemplos de experiências reais.

Valeria Doustaly no Museu da Moda de Paris
Valeria Doustaly | Blog Paris Style Week

 

9 – Prêmios internacionais

Sou uma professora premiada, sim! O meu curso ganhou um prêmio internacional da Aici, por colocar o conteúdo sobre história da moda como ponto fundamental para as consultoras de imagem, que muitas vezes não têm esse repertório.

Em 2021, pelo trabalho realizado com o Paris Style Week, recebi o Prêmio Jane Segerstrom. Foi um reconhecimento por ter criado uma iniciativa global e difundir a história da moda para a consultoria de imagem.

Em 2019, também recebi o Prêmio do Presidente, que é escolhido no fim do mandato do presidente e dados a indivíduos que ele considera ter feito uma contribuição significativa para o crescimento da associação.

 

10. Quem já fez o curso amou!

Em 2020, com a chegada da pandemia, passei a oferecer cursos on-line, focados na evolução da moda e no mercado de luxo. Foi assim que nasceu o conteúdo “10 Estilistas que você deve conhecer”.

O curso de moda foi dado inicialmente ao vivo via Zoom, em vários idiomas. Além do português, as aulas foram ministradas em inglês e espanhol. Atualmente, o conteúdo fica gravado.

A AICI me aproximou de várias alunas, de diferentes lugares do mundo, como Filipinas, Canadá, Inglaterra, índia, Colômbia, Peru, Chile, México, Estados Unidos, Espanha e Portugal, entre outros.

No Brasil, as participantes aprovam a iniciativa e dão depoimentos de agradecimento. Veja feedbacks:

Depoimento sobre o curso 10 Estilistas que você deve conhecer
Valeria Doustaly | Blog Paris Style Week
Depoimento sobre o curso 10 Estilistas que você deve conhecer
Valeria Doustaly | Blog Paris Style Week
Depoimento sobre o curso 10 Estilistas que você deve conhecer
Valeria Doustaly | Blog Paris Style Week

 

O próximo feedback positivo pode ser o seu. Inscreva-se no curso “10 Estilistas que você deve conhecer” e tenha acesso às aulas on-line. Com foco no trabalho de 10 grandes estilistas, o conteúdo começa na década de 1920 e segue até os dias atuais. Entenda a evolução da moda.

 

Categorias
História da moda

Jean Paul Gaultier: o estilista pioneiro da diversidade na moda

Atualmente, as questões de diversidade e inclusão estão em quase todas as agendas mundiais, sejam elas políticas, sociais ou econômicas. Na moda, desde os anos 1980, de forma totalmente autêntica e pioneira, o estilista Jean Paul Gaultier trabalha com essas temáticas. O assunto foi abordado em um trabalho acadêmico que produzi neste ano. Por isso, neste post do blog, trago detalhes sobre o legado do designer de moda.

Jean Paul Gaultier
Jean Paul Gaultier/Divulgação

 

Homenagem a Gaultier

O meu artigo homenageia Jean Paul Gaultier. Publicado em março deste ano, o trabalho acadêmico foi desenvolvido para o Caderno do Centro de Estudos em Design e Comunicação Nº128, da Universidade de Salamanca, da Espanha, junto à Universidade de Palermo, da Argentina.

No trabalho, abordei a mensagem social muito forte e de alto impacto que está no trabalho do estilista. Com referências multiculturais e sem discriminação, Gaultier fez história na moda.

Destaco a frase favorita de Jean Paul Gaultier: “La beauté est partout” (A beleza está em toda parte). É uma mensagem de amor e empatia que reflete sua convicção de que não existem corpos, gêneros, religiões, raças e orientações sexuais às quais um julgamento de valor pode ser atribuído.

Certificado de Valeria Doustaly pela publicação de artigo sobre Jean Paul Gaultier
Certificado, em espanhol, pela publicação do artigo sobre Jean Paul Gaultier em 2021 Valeria Doustaly | Blog Paris Style Week


Quem é Jean Paul Gaultier

Conhecido como “L’enfant terrible de la mode”, Jean Paul Gaultier é considerado mundialmente um símbolo da cultura francesa. Autodidata, tornou-se um importante ícone da moda. 

Jean Paul Gaultier nasceu em 1952, em Bagneux, na França. Ele cresceu em subúrbios ao sul de Paris. No entanto, foi com a avó materna, Mémé Garrabé, que ele descobriu o universo feminino. Os penteados, os espartilhos e seus laços, as anáguas, os perfumes… tudo isso o fascinava.

Foi em 1976 que lançou a marca homônima, na capital francesa. No início, Londres era uma fonte de inspiração, mas a cidade que o estilista sempre gostou de morar é Paris.

Gaultier é disruptivo. Foi o protagonista na alta-costura dos anos 1980, com uma mensagem completamente moderna. O New Look da Dior (famoso na década de 1950), por exemplo, estabelecia uma cintura fina, enquanto Jean Paul Gaultier, mais tarde, passou a valorizar todos os tipos de corpos.

Em 1966, quando Yves Saint Laurent trouxe o smoking feminino, Jean Paul Gaultier tinha 14 anos e percebeu a ousadia do designer ao desenvolver peças masculinas para o universo feminino. Depois, JPG fez o contrário: levou peças femininas, como saias, para o universo dos homens.

Durante toda a carreira, o trabalho do designer foi repleto de referências afetivas. O bairro popular, o apoio de sua avó materna, seu ursinho de pelúcia e o filme Paris Frills (Falbalas) são peças importantes na memória de Jean Paul Gaultier, que ele vai evocar ao longo de sua vida.

Esses momentos são retratados em relatos, coleções, na exposição em sua homenagem no Grand Palais em 2015, e também no Fashion Freak Show. O espetáculo, que eu tive a oportunidade de assistir, foi apresentado pelo próprio estilista para contar a sua história, com estreia em 2018.

Fashion Freak Show, de JPG
Valeria Doustaly | Blog Paris Style Week
Valeria Doustaly com participantes do Paris Style Week em show de JPG
Com participantes do programa Paris Style Week, assisti ao Fashion Freak Show, de Gaultier. A foto é de 2019 Valeria Doustaly | Blog Paris Style Week

Ao longo dos anos, ficou claro que o francês parece ter nascido com o ideal de um mundo diverso. Deixa um legado inovador e a genuína expressão da tentativa de incluir o gosto de todos pela moda e a comunicação por meio do vestuário.

Jean Paul Gaultier é imbatível na arte de misturar tudo, com transgressão e humor. As coleções e os desfiles têm um bom impacto, com toque performático; sempre um verdadeiro show. Couro em abundância, calças com zíper e muito preto viraram características marcantes do DNA criativo. 

A marca idealizada por JPG faz parte do seleto ramo da alta-costura, o setor mais sofisticado da moda. No segmento, é membro permanente, ao lado de marcas como Chanel, Schiaparelli e Givenchy. O designer deixou o prêt-à-porter em 2014 e passou a se dedicar somente à alta-costura. 

No início de 2020, Jean Paul Gaultier se aposentou das passarelas, depois de 50 anos de carreira. A última coleção desenhada por ele foi a de haute couture na temporada de primavera/verão 2020.

Posteriormente, a maison anunciou um rodízio de diretores criativos, para que diferentes estilistas convidados assumam o comando da marca, de forma temporária. Desde então, os selecionados foram Chitose Abe, fundadora da Sacai, e Glenn Martens, que está à frente de labels como Y/Project e Diesel.

 

Os símbolos de estilo 

Sem dúvida, o espartilho de seios cônicos que Jean Paul Gaultier fez para a popstar Madonna virou um emblema da década de 1990. Foi inclusive uma das peças que eu apresentei na timeline da moda recentemente. A peça é simbólica: representa a liberdade de que as mulheres podem usar a sensualidade como quiserem.

Entre os símbolos de estilo de JPG, estão clichês de Paris, como a boina, o sobretudo e a Torre Eiffel. Além disso, o designer fez da famosa marinière – a clássica camiseta listrada – seu próprio uniforme. Ele se apropriou dela de uma forma que quem não conhece a história da moda pode pensar que foi ele quem a inventou.

O interessante é que ele revisita peças icônicas de sua marca em quase todas as suas coleções, impondo coerência e consistência ao próprio marketing. O sucesso de Gaultier também está na continuidade de um vocabulário de estilo e códigos que encontrou no início de sua carreira.

Madonna na Blond Ambition Tour
YouTube/Reprodução
Look by Gaultier com Torre Eiffel
Jean Paul Gaultier/Divulgação
Jean Paul Gaultier
Pierre & Gilles for / À nous deux la mode / Jean Paul Gaultier / Reprodução
La marinière
Jean Paul Gaultier/Divulgação

 

O casting e a pluralidade

As criações de Gaultier rompiam com tradições e convenções ultrapassadas. E isso não ficava apenas nas coleções, mas também nos castings de desfiles e campanhas. Quando o estilista escolhia seu elenco, apostava nas causas que desejava abraçar. Pluralidade é a palavra que rege.

Entre os exemplos, está a modelo trans Andreja Pejic, que usou o vestido de noiva na coleção primavera/verão 2011 da alta-costura; uma mensagem clara de diversidade. Beth Ditto, cantora e ativista dos direitos LGBTQ, também desfilou para a maison. 

Quem também está na trajetória de casting de Jean Paul Gaultier é a dançarina burlesca norte-americana Dita Von Teese, assim como Farida Khelfa. A modelo representava o completo oposto do padrão de beleza dos anos 1980, que eram as loiras ao estilo sueco que apareciam em revistas femininas como a Vogue francesa ou a Elle.

A lista continua com a grande atriz Rossy de Palma, protagonista da maioria dos filmes de Almodóvar. Ela se tornou uma musa de Gaultier. Em geral, várias personalidades do mundo do entretenimento estiveram no repertório da label.

Beth Ditto e Jean Paul Gaultier
Beth Ditto e Jean Paul Gaultier Patrice Stable/Jean Paul Gaultier/Divulgação
Jean Paul Gaultier e Rossy de Palma
Jean Paul Gaultier e Rossy de Palma Patrice Stable/Jean Paul Gaultier/Divulgação


Diversidade e inclusão são valores verdadeiros para Jean Paul Gaultier, que possui uma profunda sensibilidade humana. Ele nos ensina a ter orgulho das diferenças. Uma utopia ou uma mensagem social muito forte e de alto impacto? Com certeza, o estilista propõe um mundo ideal, no qual eu gostaria de viver.

 

Você sabia que Jean Paul Gaultier é um dos estilistas que estão no meu curso on-line “10 Estilistas que você deve conhecer? Além do digital, no ano que vem, o Paris Style Week estará de volta no presencial. De 14 a 18 de março de 2022, receberei participantes para cinco dias de experiências exclusivas no glamour da moda parisiense. As inscrições já estão abertas. Clique aqui e saiba detalhes sobre a programação.